O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e os governadores de estados do Sul e Sudeste irão atuar em cooperação para evitar bloqueios

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e os governadores de estados do Sul e Sudeste irão atuar em cooperação para evitar que municípios bloqueiem rodovias e impeçam a circulação do transporte de cargas.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

Dessa forma, Freitas participou de reunião do Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste), nesta segunda-feira (23), por vídeo conferência, com os governadores de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais.

Assim, já há um consenso quanto a decretos estaduais que garantam a livre circulação do transporte de cargas. Além disso, estão previstas medidas que garantam os serviços essenciais aos profissionais, como borracharias, oficinas e pontos de alimentação. O próximo passo, segundo o ministro, é atuar junto aos municípios.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

“Se matarmos o transporte rodoviário de carga, teremos o efeito da greve de 2018 somado à crise do coronavírus”, alertou Freitas. Os governadores Eduardo Leite (RS), Carlos Moisés (SC), Ratinho Júnior (PR), João Dória (SP), Renato Casagrande (ES) e Wilson Witzel (RJ) também se manifestaram em favor de assegurar o trabalho dos caminhoneiros para garantir o abastecimento.

O apelo agora deverá ser estendido aos prefeitos para evitar a interdição de obras de manutenção e bloqueios em rodovias, como há registros pelo país. “Estamos vendo justas homenagens aos profissionais da saúde e da segurança pública. Entretanto,  está na hora de homenagearmos também os profissionais do transporte de cargas”, disse o ministro.

Freitas destacou ainda medidas que o governo federal vem adotando para manter o trabalho dos portuários. Além disso, defendeu que os aeroportos continuem abertos, apesar da queda no número de voos e passageiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here