O índice ABCR referente a maio de 2021 apresentou crescimento de 14,4% no comparativo com abril, considerando os dados dessazonalizados. Assim, o fluxo

O índice ABCR referente a maio de 2021 apresentou crescimento de 14,4% no comparativo com abril, considerando os dados dessazonalizados. Assim, o fluxo de veículos leves avançou 19,6%, enquanto o de pesados cresceu 3,4%.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

O índice que mede o fluxo pedagiado de veículos nas estradas é construído pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR juntamente com a Tendências Consultoria Integrada.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

Caso seja comparado com o mesmo período de 2020, o índice total avançou 43,1%. O fluxo pedagiado de veículos leves aumentou 53,0%, enquanto o fluxo de pesados evoluiu 23,5%. No entanto, maio de 2020 foi o segundo pior mês da pandemia, melhor apenas que abril de 2020. Por isso, nos últimos doze meses, o índice total ainda acumula queda de 2,5%, fruto de um avanço de 6,9% dos veículos pesados, mas uma redução de 5,7% dos veículos leves.

“Os números referentes ao mês de maio demonstram a recuperação do fluxo de veículos, diante da flexibilização de medidas de isolamento social em quase todo o país. Nesse contexto, é possível observar aumento na movimentação de todos os segmentos, especialmente no fluxo de leves, que apresentou avanço significativo em todas as regiões presentes na pesquisa”, afirma Andressa Guerrero, analista da Tendências Consultoria. “Pela comparação anual, os dados continuam revelando os danos ocasionados pela primeira onda do SARS-CoV-2 no Brasil. Apesar das limitações da atual flexibilização de medidas, as políticas de lockdown adotadas no ano passado foram muito mais nocivas à mobilidade”, conclui.

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here