Setor varejista cresce 1,8% em abril e apresenta patamar pré-pandemia

O cenário atual também reflete uma mudança no comportamento do consumidor, segundo pesquisador

Em meio ao abrandamento das medidas de isolamento e a alta dos preços, as vendas reais do varejo, quando descontada a inflação, avançaram 1,9%

O setor varejista cresceu 1,8% em abril com relação a março e voltou ao patamar pré-pandemia. Em outras palavras, o setor retomou o nível que estava em fevereiro do ano passado. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo levantamento divulgado nesta terça (8), no ano de 2021 o setor acumula alta de 4,5% e 3,6% nos últimos 12 meses. Já na comparação com abril do ano passado, o crescimento é de 23,8%. Apenas hiper e supermercados, das oito categorias de varejo, registraram queda de 1,7% no período. O maior crescimento foi de 24,8%, que aconteceu no setor de móveis e eletrodomésticos.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

“O consumo das famílias se modificou em termos de estrutura no começo da pandemia. O que tem acontecido é que, em alguns setores, o consumo tem se concentrado em momentos específicos do ano. Antigamente, esses momentos eram muito marcados, como a Black Friday e o Natal, agora o cenário mudou”, analisa o gerente da Pesquisa Mensal do Comércio, Cristiano Santos. O resultado vem muito acima das estimativas do mercado, que contavam com  queda de -1% no mês.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

Mudanças no comportamento do consumidor

Entretanto, em termos de comparação anual, o pesquisador afirma que o aumento recorde da série histórica é explicado pela base de comparação baixa. ”Quando olhamos para essas grandes variações, precisamos lembrar que muitas dessas lojas declararam uma perda muito grande de receita. Por exemplo, se uma loja tinha um faturamento de 100 mil reais e em abril ela só vendeu 10%, depois, se ela crescer 100%, ela passa de 10 mil reais para 20 mil reais. Ou seja, o patamar ainda está muito baixo em relação ao cenário que se tinha antes da pandemia”, explica Santos.

Fonte: Veja

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu Nome aqui!