O volume de emplacamentos de implementos rodoviários de janeiro a setembro de 2020 chegou a marca de 85 mil produtos. Dessa forma, atingindo a marca de 4,31%

A NTC&Logística divulgou os resultados da 6ª Pesquisa com associados e entidades parceiras, que mostra a evolução na demanda nas empresas do transporte rodoviário de cargas, em função do afastamento social provocado pelo coronavírus. O estudo, coordenado pelo Decope (Departamento de Custos Operacionais) da entidade, envolveu um total de 394 empresas e compreende o período de e 20 a 26 de abril.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

O levantamento apontou uma queda média de 44,84% no volume de cargas movimentadas no período. Número pouco inferior ao registrado na pesquisa anterior, que foi de 45,2% (gráfico 1).

Gráfico 1 – Demanda de carga

Segundo Lauro Valdívia, responsável pelo trabalho, a quase semelhança dos dois resultados pode indicar que o movimento de cargas vem se estabilizando; embora continue bem abaixo das expectativas das empresas.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

No segmento de cargas fracionadas, que corresponde às entregas em forma de encomendas, o recuo foi de -47,31%. Já as cargas de lotação, originárias da indústria ou do agronegócio, acusaram uma variação negativa de – 42,85% (gráfico 2).

Gráfico 2 – Volume de cargas

Faturamento

A pesquisa também apontou o percentual de empresas que tiveram queda no faturamento, em função da redução da atividade econômica no país. O índice mostrou uma nova evolução (gráfico 3) e alcançou 90% das empresas consultadas. Isso significa que apenas 10% das empresas dedicadas ao transporte de cargas não sentiram os efeitos da crise.

Gráfico 3 – Queda no faturamento

Em entrevista ao Canal da NTC, Lauro Valdívia alertou os empresários para a necessidade de preservação de caixa, já que o horizonte é incerto e difícil de prever. Para tanto, ele sugere que as empresas negociem novos prazos com seus fornecedores. E principalmente, não reduzam o valor do frete, como vem sendo exigido por muitos embarcadores. “Em um período de dificuldades como essa, essa saída só contribuiria para aumentar o prejuízo da empresa”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here