O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prorrogou, na última quinta-feira (28), a validade da Medida Provisória

O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), prorrogou, na última quinta-feira (28), a validade da Medida Provisória que permite a exploração privada de ferrovias por meio de autorização (MP 1.065/2021). Dessa forma, a MP, que venceria no dia 28, continua valendo até o dia 6 de fevereiro de 2022. No entanto, ela ainda não foi analisada por nenhuma das Casas do Congresso.

A MP implementa a modalidade de autorização para a exploração de trechos ferroviários curtos. A autorização pode ser concedida por até 99 anos. Nessa modalidade, que já existe nos setores portuário e elétrico, não há pagamento ao governo federal pela outorga; em compensação, a empresa assume todos os riscos da exploração do serviço.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

A publicação da MP foi controversa no Senado porque ela é semelhante, em muitos aspectos, ao projeto de lei do novo marco legal das ferrovias (PLS 261/2018), que os senadores aprovaram no início do mês. O projeto ainda será analisado pela Câmara dos Deputados e, segundo o presidente Rodrigo Pacheco, terá precedência sobre a medida provisória.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

O Senado também analisa um projeto de decreto legislativo que susta os efeitos de uma portaria do Ministério da Infraestrutura que regulamenta a MP (PDL 826/2021). A portaria define critérios para desempate de pedidos de autorização. Os senadores vão aguardar uma manifestação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o assunto.

Fonte: Diário do Comércio

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here