Os motoristas e cobradores de ônibus urbanos, metropolitanos e rodoviários (motoristas) possuem 70% de risco de contaminação. De acordo com levantamento

Os motoristas e cobradores de ônibus urbanos, metropolitanos e rodoviários (motoristas) possuem 70% de risco de contaminação. De acordo com levantamento do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), que mapeou mais de 2,5 mil ocupações no País, tais profissões ocupam o 2º lugar entre as mais vulneráveis. Assim, ficando atrás apenas de profissionais da saúde bulcal.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

São 350 mil trabalhadores em ônibus que correm 70% de risco de serem contaminados devido ao exercício de sua profissão. A metodologia foi semelhante a uma apuração feita pelo The New York Times, nos Estados Unidos, adaptada para a realidade brasileira com base na Classificação Brasileira de Ocupações, do Ministério do Trabalho, e a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério da Economia.

“Quando a epidemia do Coronavírus passar e a atividade econômica voltar ao normal, nem todos os profissionais que atuam no setor varejista ou similar continuarão empregados, apesar dos acordos que o governo está fazendo com os empresários”, estima em nota da Coope.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

Os profissionais das áreas de saúde, que somam 2,6 milhões de trabalhadores, sofrem risco acima de 50% de uma maneira geral. No entanto, o dado engloba desde um fisioterapeuta de área ortopédica que não atua com pacientes contaminados até quem trabalha dentro de uma UTI com pessoas acometidas pela coronavírus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here