Instituto Paulista do Transporte de Cargas (IPTC), órgão vinculado ao SETCESP, divulgou o Índice de Eficiência no Recebimento (IER). Dessa forma, o estudo mostrou

Instituto Paulista do Transporte de Cargas (IPTC), órgão vinculado ao SETCESP, divulgou o Índice de Eficiência no Recebimento (IER). Dessa forma, o estudo mostrou que o tempo médio de descarregamento em centros de distribuição, supermercados, atacadistas e home centers é de 2 horas e 20 minutos.

A pesquisa tem como principal objetivo avaliar as redes de São Paulo e região em termos
de tempo de operação, condições de infraestrutura em relação às necessidades do
transportador. Além disso, sugere formas de melhorar os recebimentos das cargas
em: supermercados, centros de distribuição, atacadistas e home centers.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

O IER revelou que apenas 26,8% dos estabelecimentos contam com áreas de espera para
os motoristas, assim como apenas 28,1% oferecem sanitários para motoristas. Assim, evidenciando estruturas que ainda carecem de elementos básicos e, na maioria das vezes,
essencial para o serviço de descarregamento.

De acordo com Fernando Zingler, diretor executivo do IPTC, a estrutura dos centros de
distribuição vem sendo observada há algumas edições do IER e, apesar de uma melhora
nos números, a pandemia teve influência nestes quesitos no ano de 2020.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

“Colocamos a questão sobre estrutura para os motoristas como sanitários e bebedouros, justamente por conta da Covid-19. Sempre observamos a questão de sanitários, que é uma estrutura mínima para os profissionais que ficam nos centros de 3 a 4 horas aguardando. Ainda não são 100% dos estabelecimentos, que tem uma estrutura como sanitários e esse é um ponto problemático para nós. O estabelecimento não oferecer um mínimo de condições para o motorista que está lá fazendo a operação de descarga é bastante preocupante. No entanto, vemos que ano após ano, esse indicador vem melhorando e, cada vez mais, evoluindo e com o aumento do número de locais com sanitários. Também temos visto que os centros têm dado valor à qualidade desses locais, reformando-os e deixando-os mais acessíveis e limpos”.

Confira o ranking completo clicando aqui

 

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here