Em outubro de 2020, o Índice ABCR de atividade apresentou variação de 2,9% no comparativo com setembro de 2020, considerando os dados dessazonalizados.

Em outubro de 2020, o Índice ABCR de atividade apresentou variação de 2,9% no comparativo com setembro de 2020, considerando os dados dessazonalizados. Dessa forma, o fluxo pedagiado de veículos leves apresentou aumento de 4%, enquanto o de pesados avançou 0,2%.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

O índice mede o fluxo de veículos nas estradas sob concessão e é construído pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR juntamente com a Tendências Consultoria Integrada.

No entanto, comparado ao mesmo período de 2019, o índice total demonstrou queda de 2,7%. O fluxo pedagiado de veículos leves registrou recuo de 3,9%, enquanto o fluxo de pesados evoluiu 0,8%. No acumulado do ano, 2020 tem números 14,9% menores que em 2019. Nesse comparativo, os pesados possuem variação negativa de 2,6%, enquanto os veículos leves acumulam retração de 18,9%.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

“Desde reabertura das atividades econômicas após o isolamento social, é maior resiliência e velocidade de recuperação de veículos pesados. Já os veículos leves tem sinalizado tendência de recuperação nos últimos meses. O fluxo dos últimos foi impulsionado pelo feriado do dia 12, quando se avalia seu resultado na série interanual. Ao
contrário do ano passado, em 2020 o feriado ocorreu numa segunda-feira, o que favoreceu as decisões de viagens para lazer.”, afirma Andressa Guerrero, analista da Tendências Consultoria.

O especialista afirma que há uma preocupação com uma segunda leva do vírus, que pode chegar ao país nos próximos meses. “Entretanto, os novos casos crescentes da segunda onda da covid-19 na Europa representam indicativos de alerta para a flexibilização social em curso no Brasil. Além disso, a retirada dos estímulos públicos também pode afetar a velocidade do fluxo de veículos nos próximos meses.”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here