De acordo com a quantia projetada pela equipe econômica, o Brasil terá o menor valor para investimentos dos últimos 15 anos. Ao todo, são projetados

De acordo com a quantia projetada pela equipe econômica, o Brasil terá o menor valor para investimentos dos últimos 15 anos. Ao todo, são projetados gastos em torno de R$ 28,6 bi. No entanto, essa quantia pode ficar ainda menor para abrir espaço no Orçamento para gastos obrigatórios.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

Como os benefícios estão atrelados ao piso nacional, o aumento do INPC se transformou numa dor de cabeça para o governo. Além disso, o reajuste se torna uma pressão a mais no teto. O problema é que o limite foi reajustado com base no IPCA acumulado até junho do ano passado (2,13%), enquanto os benefícios, pelo INPC (5,45%). Com isso, ampliando os gastos obrigatórios e reduziu o espaço paras outras despesas em 2021.

Próximos passos

Uma ala da equipe econômica defende que o ajuste nas previsões seja feito na votação do Orçamento. Entretanto, está “no limite” e que será feito no primeiro relatório, para deixar claro “quanto dinheiro se tem”. Na época em que o governo anunciou o salário mínimo em R$ 1.100, R$ 33 acima do previsto inicialmente, os técnicos informaram que o impacto de aumento nas despesas era de R$ 351,1 milhões a cada R$ 1 de aumento. Ou seja, a diferença em relação à proposta de Orçamento é de R$ 11,6 bilhões.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

Para o consultor de Orçamento da Câmara, Ricardo Volpe, o fato de as despesas de Previdência terem sido superestimadas na proposta de Orçamento deve compensar em parte o impacto do salário mínimo maior. Já para 2022, a inflação mais alta até junho deste ano deve ter um efeito oposto, dando uma “folga” maior no teto de gastos no ano que vem.

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here