Governadores começaram a fazer ajustes em decretos locais numa tentativa de preservar o transporte de cargas pelo Brasil diante da crise novo coronavírus.

Governadores começaram a fazer ajustes em decretos locais numa tentativa de preservar o transporte de cargas pelo Brasil diante da crise novo coronavírus. Até o momento, pelo menos sete estados excluíram o trabalho dos caminhoneiros do rol de atividades que precisam ser suspensas para evitar a disseminação da doença.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

As medidas seguem normas editadas pelo governo federal no último sábado, 21. Assim, através de decreto e medida provisória, o Executivo definiu serviços e atividades essenciais que não podem parar durante a crise, entre eles o transporte e a entrega de cargas e alimentos. Além disso, o governo ainda proíbe a restrição à circulação de trabalhadores que possa acarretar em desabastecimento à população.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

O movimento nos estados também é orientado pelo Ministério da Infraestrutura, que instituiu na última sexta-feira, 20, o Conselho Nacional dos Secretários de Transportes. Dessa forma, coordenada pelo ministro Tarcísio de Freitas para evitar medidas de estados e municípios com potencial de atrapalhar o transporte de cargas pelo Brasil. O receio é de que certas iniciativas acabem gerando uma crise de abastecimento no país.

Em Canarana (MT), por exemplo, a prefeitura proibiu o transporte de grãos para outros municípios. De acordo com o decreto 3054/2020 publicado no último domingo, 22, o funcionamento dos armazéns de grãos da cidade fica limitado ‘exclusivamente para recebimento da colheita municipal, sendo vedado o escoamento para fora do município’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here