Frete do agronegócio aumentou 1,2% em maio

Motoristas de super rodotrem terão que possuir curso especializado de transporte de cargas indivisíveis, segundo a Deliberação

O preço médio dos fretes para transporte de produtos do agronegócio subiram 1,2% em maio na comparação com abril, deacordo com o Índice FreteBras do Preço do Frete (IFPF), criado pela plataforma de transporte de cargas Fretebras. Dessa forma, a elevação foi menor apenas que a registrada no setor de construção, que chegou a 2,1%.

“O Brasil é extremamente dependente do agronegócio. Entretanto, vemos que o preço do frete na indústria não acompanha a escalada dos custos. Apesar de contar muito com os caminhoneiros, vemos que ainda existe espaço para melhorar as negociações entre transportadores e motoristas”, afirma, em nota, Bruno Hacad, diretor de operações da FreteBras.

LEIA MAIS: Acompanhe o impacto da pandemia de coronavírus no transporte rodoviário de cargas e passageiros

No período, os sucessivos aumentos no preço do óleo diesel S500 não foram repassados para os caminhoneiros no custo do frete. Ainda de acordo com o IFPF, de maio de 2020 a maio de 2021 o valor do frete por quilômetro rodado por eixo permaneceu praticamente estável, com leve aumento de 0,24%. No entanto, no mesmo período o diesel S500 subiu 47,18% na bomba.

Ainda mais, fique por dentro das notícias através das nossas redes sociais: Instagram e Twitter 

Assim, o preço médio do frete por quilômetro por eixo no Brasil alcançou R$ 1,01. Na comparação entre abril e maio de 2021, o preço do diesel comum na bomba aumentou 6,38%, segundo o relatório da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Apesar disso, no mesmo período o preço do frete caiu 0,14%.

 

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu Nome aqui!