Entidades do transporte rodoviário de cargas, que representam as empresas do setor, estão solicitando providências às autoridades constituídas, no sentido de garantir a liberação imediata dos caminhões ainda retidos nas rodovias de todo o país, por manifestantes que insistem no prosseguimento da greve.

Em nota, a Federação das Empresas de Transporte de Carga e Logística do Nordeste- Fetracan, informou que as negociações mantidas com o Governo Federal já alcançaram as demandas exigidas, não havendo motivação legitimada para a continuidade do movimento.

“O bom senso tem de prevalecer”, afirmou em comunicado o presidente do Sindimat, que reúne as transportadoras de Mato Grosso. “Por esse motivo, pedimos aos caminhoneiros que ainda mantém a paralisação que acreditem no governo, pois o mesmo já emitiu as Medidas Provisórias e publicou as mesmas no Diário Oficial da União”.

O mesmo se dá com a Federação das Empresas de Transportes de Cargas dos Estado do Paraná – Fetranspar, que representa mais de 22 mil empresas em todo o Estado. Segundo o Coronel Sérgio Malucelli, presidente da entidade, “mesmo com a demora do Governo Federal em se movimentar em relação a paralisação, as medidas anunciadas são positivas e vão dar mais segurança para autônomos e empresários”.

O Setcesp, que representa as transportadoras da cidade de São Paulo e região, lembra que a atividade de transporte necessita de capital intensivo para poder operar. “Seus compromissos como aluguel, salários, fornecedores, entre outros, continuam vencendo normalmente, motivo pelo qual a impossibilidade de operar está trazendo enormes prejuízos às empresas”, afirmou a entidade.

Na tentativa de informar os seus associados, o Setcesp decidiu monitorar os locais onde ainda ocorrem pontos de manifestação e divulgar boletins diários através das redes sociais. A entidade também alerta as empresas para evitarem confrontos que possam colocar em risco seus colaboradores e as cargas sob sua responsabilidade, já que em ocasiões de convulsões sociais não há cobertura de seguro.

Compartilhe nas redes sociais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here