Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Transportes | quinta-feira, 13/07/2017 02:26

Reforma Trabalhista trará avanços para o transporte, avalia setor

Entre os benefícios esperados estão as contratações, redução de custos e diminuição de processos na Justiça do Trabalho
Entre os benefícios esperados estão as contratações, redução de custos e diminuição de processos na Justiça do Trabalho
Na última terça-feira, 11, a Reforma Trabalhista passou pelo Senado Federal e, agora, aguarda sanção presidencial para começar a valer. No transporte rodoviário de cargas, a avaliação é que o novo texto deve gerar uma série de benefícios, potencializando o desenvolvimento do setor. 
 
Segundo os transportadores, entre os pontos de destaque, estão a prevalência do negociado sobre o legislado (em questões como salários e jornadas de trabalho) e a redução de ações trabalhistas desnecessárias. Além disso, para o setor, a modernização da legislação era necessária, porque a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) estava ultrapassada e já não respondia às necessidades das atuais relações de trabalho.
 
Para o presidente da Associação Brasileira de Logística, Transportes e Cargas (ABTC), Pedro Lopes, “a aprovação da proposta foi possível graças a um esforço conjunto de vários setores e diversas entidades, em especial, o setor empresarial de transporte, que atuou de maneira intensa e decisiva junto aos parlamentares, para que votassem a favor da medida”. 
 
O profissional destaca que o projeto não retira direitos dos trabalhadores, ao contrário, “traz liberdade, segurança e transparência à relação entre empregados e empregadores”. Para ele, a medida representa um avanço e um passo fundamental para que as empresas voltem a contratar e garantir a redução do custo Brasil.
 
O presidente da NTC&Logística, José Hélio Fernandes, avalia que o setor entra em uma era positiva. Ele destaca, dentre os pontos importantes da Reforma, o fortalecimento da negociação entre as entidades patronais e as laborais. “Isso favorecerá a redução das demandas judiciais que envolvem questões trabalhistas. O que o trabalhador quer é emprego e renda, e o empresário quer produtividade e um clima harmonioso para todos trabalharem. No médio prazo, os benefícios virão para todos”, ressalta.  
 
Fonte: Agência CNT de Notícias

Deixe seu comentário