Acompanhe a Editora Frota
Para prevenir o envio de spam, deixe este campo em branco.

 

Você está aqui

Balanço | quinta-feira, 13/07/2017 04:08

Exportações de caminhões Mercedes-Benz dão um salto de 44% em 2017

Vendas ao mercado externo totalizaram 3.965 unidades no primeiro semestre
Volume de entregue nesse período é de 3.965 unidades ante as 2.748 exportadas no ano anterior
A Mercedes-Benz encerrou o primeiro semestre de 2017 com aumento de 44% nas exportações de caminhões. O volume entregue nesse período é de 3.965 unidades ante as 2.748 exportadas no ano anterior. No segmento de ônibus, o crescimento é de 24%, com a venda de 3.354 veículos em comparação com os 2.701 comercializados em 2016.
 
Entre os principais mercados para os quais a marca exportou, a Argentina foi o grande destaque do resultado. Foram embarcados para o país 3.072 caminhões no semestre, com destaque para os modelos semipesado Atego e o leve Accelo 815 1726. O Chile e o Peru também puxaram as vendas da Mercedes-Benz, com a comercialização de 463 e 233 caminhões, respectivamente.
 
A Argentina manteve a posição de destaque nas compras de ônibus ao atingir 1.401 chassis encomendados para esse mercado. O Chile desponta como o segundo principal destino dos chassis, alcançando 763 veículos vendidos. Com a entrega de 486 ônibus para o México, esse país se posiciona na terceira colocação do ranking. Os destaques de venda são o Micro-ônibus LO-916 e o chassi de ônibus de piso baixo O 500 U. 
 
A Mercedes-Benz tem aumentado de forma significativa suas exportações de veículos nos últimos anos. Em 2016, a marca avançou 37% nas exportações de caminhões, que passaram de 4.653 unidades em 2015 para 6.382 veículos no ano seguinte. As exportações de ônibus, por sua vez, cresceram 10%; de 5.902 unidades em 2015 para 6.527 em 2016.
 
O resultado expressivo das exportações Mercedes-Benz teve destaque não apenas nos países da América Latina. A marca também aumentou em 25% as vendas de caminhões para outros continentes, especialmente para regiões do Oriente Médio e África. No caso de ônibus, o acréscimo foi de 55% em relação ao primeiro semestre de 2016.
 

Deixe seu comentário