O Ministério da Agricultura anunciou, nesta quinta-feira (2), que a Conab vai rever a metodologia dos custos e preços mínimos do café.

O Ministério da Agricultura anunciou, nesta quinta-feira (2), que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) vai rever a metodologia dos custos de produção do café. Juntamente com outras entidades do setor, será realizada o estudo de viabilidade. O objetivo é uma possível revisão nos preços mínimo do produto.

O preço mínimo é utilizado como base para a realização de políticas públicas, bem como eventuais aquisições do governo federal. A princípio, o ministério não deu mais detalhes na nota divulgada.

Integrantes do setor produtivo têm manifestado preocupações com o efeito dos preços baixos para os cafeicultores. Na bolsa de Nova York, as cotações do café arábica oscilam perto de mínimas em mais de 13 anos. Enquanto isso, foi registrada colheita de uma safra recorde no Brasil. Além da perspectiva de uma nova grande produção em 2019. Com isso, o café se junta a lista de produtos com baixo preço atualmente.

Veja também: Milho e soja registram queda nos preços no mercado interno

Segundo dados da Conab, o preço mínimo do café arábica, de 362,53 reais por saca, ficou bem próximo do valor recebido pelos produtores em abril em Minas Gerais. O estado da região sudeste é o maior produtor brasileiro.

Associações de cafeicultores solicitam a alteração da metodologia

Os preços baixos levaram o governo brasileiro a avaliar o lançamento de contratos de opção de venda para produtores, apurou a Reuters. Dessa forma, associações de cafeicultores solicitaram a mudança dos preços mínimos do café.

A decisão sobre a revisão da metodologia de custos de produção de café foi tomada após reunião com a participação da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Além do secretário-executivo da pasta, Marcos Montes; do secretário de Política Agrícola, Eduardo Sampaio Marques; e do presidente da Conab, Newton Araújo Jr, segundo a nota do ministério.

“Esperamos agora a que a Conab e Secretaria de Política Agrícola possam convocar as cooperativas, o setor privado, todos aqueles que têm conhecimento. Para que possamos fazer a correção e anunciar o preço mínimo justo para os próximos dias, o mais breve possível. A cafeicultura não pode esperar”, afirmou o 2º vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), em outro comunicado.

Os preços mínimos do café nas mais diversas regiões do Brasil podem ser consultados na página da Conab na internet.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here